Lua – Preparando um ambiente

Este é o primeiro da nossa série de posts sobre Lógica de Programação com a linguagem LUA. O intuito é fazer um bom material pra quem está começando. Se o FeedBack for bom, podemos aprofundar mais no “curso”.

Introdução

Lua é com certeza uma das linguagens de programação mais simples para aprendizado. Leve e rápida, é ideal para a utilização em sistemas embarcados.

Com a adoção do Lua como uma das linguagens para o SBTVD e a inclusão como uma das linguagens disponíveis nos celulares com Android, a demanda por profissionais qualificados será grande, por isso temos que nos preparar.

Acompanhando as discussões na lista Lua-BR, recem criada por conta do Lua Workshop 2009, temos notado um grande apelo por tutoriais que expliquem a linguagem. Com isso decidimos escrever uma série de artigos para apresentação da linguagem. Sendo assim, vamos ao que interessa.

Preparando o Ambiente

A instalação do Lua é simples. Utilizaremos como base o Windows e a distribuição Ubuntu.

Windows
1. Realize o downlod do Lua para Windows do Site Lua Forge.
2. Execute o arquivo como um instalador padrão do Windows: Next – Next – Finish.
2.1 Ao final, o instalador dá a opção de rodar os exemplos. Se você for um autodidata, recomendo que dê uma olhada nos exemplos para começar a se ambientar com a linguagem. Não se preocupem em fazer N programinhas para se aperfeiçoar, traremos exemplos bem legais para isso.
3. Para testar a instalação, abra o prompt do DOS e execute o comando lua.

O interpretador Lua deverá ser iniciado:

Microsoft Windows XP [versão 5.1.2600]
(C) Copyright 1985-2001 Microsoft Corp.

C:\Documents and Settings\luiz>lua
Lua 5.1.4 Copyright (C) 1994-2008 Lua.org, PUC-Rio
>

4. O Lua está instalado e pronto para utilização.

Ubuntu
1. Na linha de comando, execute o comando sudo apt-get install lua
2. Para testar a instalação, na linha de comando execute o comando lua.

O interpretador Lua deverá ser iniciado:

[root@gingavm ~]# lua
Lua 5.1.2 Copyright (C) 1994-2007 Lua.org, PUC-Rio
>

IDE
Para a edição dos códigos lua você poderá utilizar qualquer editor de texto. A instalação do Lua para Windows também instala o editor SciTE.

Preferimos o Geany como editor. Ele funciona tanto no Windows quanto no Linux e sua instalação é bem simples.

No Windows, basta seguir o procedimento padrão: Next – Next – Finish.

No Linux basta executar na linha de comando sudo apt-get install geany.

Hello World
Como primeiro exercício, iremos criar um Hello World. Com o Geany aberto, digite a linhas de código a seguir:

Na barra de ferramentas do Geany, clique no botão Executar. O resultado será esse:

Com isso finalizamos este primeiro post. Seu ambiente está configurado e funcional. No próximo post, explicaremos declaração de variáveis, atribuição de valores, estruturas condicionais e laços de repetição. Não percam!

1º Simpósio Internacional de TV Digital

A Comissão Organizadora do I Simpósio Internacional de Televisão Digital comunica que os prazos para envio de resumos e de artigos foram estendidos. Os resumos, de acordo com as normas disponíveis no site do evento, podem ser enviados até 17 de setembro. O prazo para envio de trabalho final (em todos os casos) passa a ser 18 de outubro.

Os aceites serão enviados em duas datas diferentes: até 17 de agosto (para aqueles que enviaram até dia 09 de agosto) e até 24 de setembro (para aqueles que enviarem até 17 de setembro).

Mais informações sobre a inscrição de trabalhos e programação completa, confira no site do evento, em www.faac.unesp.br/simtvd .

Programação Confirmada:

18 de novembro – quarta-feira (Teatro Municipal de Bauru)
19h – Recepção dos participantes
19h30 – 20h – Sessão de Abertura
20h – 21h – Conferência de Abertura – “Panorama da Televisão Digital no Brasil: perspectivas e embates” com Maurício Kakassu (Superintendente do Fórum SBTVD)

19 de novembro – quinta-feira (Auditório A1)
10h – 12h – Mesa 01: Comunicação, Produção de Conteúdos e Políticas Públicas: desafios para Televisão Digital no Brasil – Fernando Dias (Presidente da ABPI – TV)
14h – 16h – Mesa 02: Tecnologias educacionais para a Televisão Digital – Fernando Spanhol (Diretor da ABED), Maria Teresa Quiroz (Universidade de Lima, Peru), Márcio Pereira (Canal Futura)
20h30 – 22h30 – Mesa 03: Padrão do Sistema Digital Brasileiro: convergência, interatividade em multiplataformas – Guido Lemos (UFPB), Luis Valle (Universidade de Palermo, Argentina), Fernando Bittencourt (Diretor de Tecnologia da TV Globo)

20 de novembro – sexta-feira (locais a serem confirmados)
8h – 10h – Relatos de Pesquisa
16h – 18h – Grupos de Trabalho
18h – Plenária de Encerramento

Mesas temáticas e oficinas estão sendo agendadas para sexta-feira, 20, às 10h e 14h.

O evento está sendo promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento (UNESP – Bauru). Será realizado nos dias 18, 19 e 20 em Bauru – SP.

Contato: 014 – 3103-6168
simtvd2009@faac.unesp.br

Review: XPS-1000 da Proview

Acabei de responder a um e-mail da lista de discussão de TV Digital sobre o Set-top Box (STB) XPS-1000 da proview e decidi, a partir do e-mail, escrever esta análise.

Antes de falar sobre o XPS, vamos entender oque é o STB:

Set-top Box (STB) ou conversor é um termo que descreve um equipamento que se conecta a um televisor e a uma fonte externa de sinal, e transforma este sinal em conteúdo no formato que possa ser apresentado em uma tela.

A fonte deste sinal pode ser um cabo ethernet, (veja triple play), uma antena de satélite, um cabo coaxial (veja Televisão a cabo), uma linha telefônica (incluindo conexões DSL), ou até mesmo uma conexão de uma antena VHF ou UHF.

Fonte: Wikipedia

No caso do SBTVD, a conexão realizada é feita a partir de uma antena UHF. Sabendo disso, vamos ao que interessa.

O XPS-1000 é o primeiro STB para o SBTDV a chegar ao mercado com suporte a interatividade. O aparelho chega com o status de STB mais barato do mercado e realmente ele consegue ser feliz nesta tarefa. Em uma consulta rápida no boa dica encontramos o aparelho por R$ 299,00, no Rio de Janeiro.

O aparelho possui 3 saidas de vídeo (HDMI, Vídeo Componente e Vídeo Composto), 2 saidas de áudio (Coaxial e Ótico) mais uma porta ethernet e uma USB.

Caso o consumidor possua uma TV HDMI, terá uma bela surpresa ao abrir a caixa: o aparelho vem apenas com os cabos de Vídeo Componente.

A caixa possui ainda fonte de alimentação e uma antena que certamente deverá ser substituida caso o local onde será instalado o aparelho possua muitos obstáculos.

No meu caso, a opção pelo XPS era justamente a possibilidade de se testar aplicações interativas que só foi possível desenbolsando mais R$ 200,00 pela a atualização. No final das contas, o barato não é tão barato, principalmente se levarmos em consideração que o aparelho é instável, lento na transição de menus e o midleware instalado não está implementado em sua totalidade. Chego a dizer que não está implementado nem mesmo 25% do que está descrito na norma.

Assistência técnica hoje é inexistente, não é possível encontrar lugar que realize manutenção no aparelho no Rio de Janeiro. O suporte por e-mail é fraco e desconhece o produto. Cheguei a esperar mais de sete dias para obter uma relação de melhorias/implementações em uma atualização do firmeware.

É comum que o aparelho trave e seja necessário retirá-lo da tomada. A velha estória de sair e entrar no fusca para ver se pega.

Ao final de 2 meses o aparelho apresentou defeito e até o momento não encontramos um local que realize a assistência. Antes que alguém diga que foi azar meu, conheço casos de pessoas que tiveram problemas no aparelho após 2 semanas de uso apenas como decodificador.

A dica que fica é: para quem pretende desenvolver para TV Digital com Ginga-NCL, vale mais a pena pegar um computador que esteja encostado e instalar o Ginga-NCL que está disponível no portal do software público. Na pior das hipóteses você ganhará conhecimento.

PUC-Rio prepara o LUA Workshop 2009

Nos dias 06 e 07 de outubro, será realizado na PUC-Rio o LUA Workshop 2009. O objetivo do evento é reunir a comunidade, discutir e divulgar a linguagem.

As inscrições deverão ser realizadas através do e-mail lua.workshop@gmail.com com a seguinte ficha de inscrição:

Lua Workshop 2009 – Formulário de inscrição
Nome, afiliação (empresa/universidade/organização), email
Por que você gostaria de participar do workshop?
Se você gostaria dar uma palestra, informe título e resumo

O evento está dividido entre as seguintes atividades:
– LUA Games 2009. Um pré-evento ao SBGames 2009
– Palestra plenária com Roberto Ierusalimschy, principal arquiteto da linguagem.
– Palestra plenária com Jim Whitehead II, autor do livro World of Warchaft Programming.
– Palestras de membros da comunidade.
– Mesa redonda.

Para mais informações, acesse o site do evento. http://www.lua.org/wshop09.html.

Opera Unit: Vamos colocar todo o computador na Web

A Opera Software lançou recentemente a versão 10 do seu web browser. Poderia passar desapercebido se não fosse pelo fato de ter sido lançado junto o Opera Unite. A idéia é simples. Disponibilizar qualquer tipo de informação na web.

Ok. A idéia de disponibilizar qualquer informação na web não é nenhuma novidade. Mas o Opera Unite promete ser uma revolução disponibilizando não apenas informação, mas serviços também. É possível compartilhar qualquer tipo de arquivo (documentos, planilhas, músicas, vídeos) e é possível escolher se os arquivos serão públicos ou privados e quem terá acesso a estes arquivos.

Alguns serviços já foram disponibilizados:
File Sharing que como o próprio nome já diz, permite compartilhar seus arquivos;
Media Player permitirá que o usuário acesse sua biblioteca de música de qualquer lugar;
Web Server disponibilizará sites que estarão hospedados no próprio computador do usuário;
Photo Sharing permitirá compartilhar as fotos do usuário;

A idéia não é a criação de “simples” aplicações, como aconte com os add-ons do firefox e sim a criação de novos serviços por parte da comunidade.

Android suportará Ruby e JavaScript além de Lua e Python

O blog Google Open Source anunciou que o Android, plataforma para telefones móveis do Google, irá suportar Ruby e JavaScript.

Com isso o número de linguagens aumentará para cinco. O Android já possui suporte para Python, BeanShell e a linguagem brasileira Lua.


Será possível editar os scripts diretamente no celular.


O Script Mananger apresenta todos os scripts disponíveis.


Os scripts poderão ser executados interativamente ou em segundo plano como um serviço.


Terminais interativos podem ser iniciados para suporte aos interpretadores.


Os scripts poderão utilizar a interface Gráfica do Android para receber dados do usuário.