Review: XPS-1000 da Proview

Acabei de responder a um e-mail da lista de discussão de TV Digital sobre o Set-top Box (STB) XPS-1000 da proview e decidi, a partir do e-mail, escrever esta análise.

Antes de falar sobre o XPS, vamos entender oque é o STB:

Set-top Box (STB) ou conversor é um termo que descreve um equipamento que se conecta a um televisor e a uma fonte externa de sinal, e transforma este sinal em conteúdo no formato que possa ser apresentado em uma tela.

A fonte deste sinal pode ser um cabo ethernet, (veja triple play), uma antena de satélite, um cabo coaxial (veja Televisão a cabo), uma linha telefônica (incluindo conexões DSL), ou até mesmo uma conexão de uma antena VHF ou UHF.

Fonte: Wikipedia

No caso do SBTVD, a conexão realizada é feita a partir de uma antena UHF. Sabendo disso, vamos ao que interessa.

O XPS-1000 é o primeiro STB para o SBTDV a chegar ao mercado com suporte a interatividade. O aparelho chega com o status de STB mais barato do mercado e realmente ele consegue ser feliz nesta tarefa. Em uma consulta rápida no boa dica encontramos o aparelho por R$ 299,00, no Rio de Janeiro.

O aparelho possui 3 saidas de vídeo (HDMI, Vídeo Componente e Vídeo Composto), 2 saidas de áudio (Coaxial e Ótico) mais uma porta ethernet e uma USB.

Caso o consumidor possua uma TV HDMI, terá uma bela surpresa ao abrir a caixa: o aparelho vem apenas com os cabos de Vídeo Componente.

A caixa possui ainda fonte de alimentação e uma antena que certamente deverá ser substituida caso o local onde será instalado o aparelho possua muitos obstáculos.

No meu caso, a opção pelo XPS era justamente a possibilidade de se testar aplicações interativas que só foi possível desenbolsando mais R$ 200,00 pela a atualização. No final das contas, o barato não é tão barato, principalmente se levarmos em consideração que o aparelho é instável, lento na transição de menus e o midleware instalado não está implementado em sua totalidade. Chego a dizer que não está implementado nem mesmo 25% do que está descrito na norma.

Assistência técnica hoje é inexistente, não é possível encontrar lugar que realize manutenção no aparelho no Rio de Janeiro. O suporte por e-mail é fraco e desconhece o produto. Cheguei a esperar mais de sete dias para obter uma relação de melhorias/implementações em uma atualização do firmeware.

É comum que o aparelho trave e seja necessário retirá-lo da tomada. A velha estória de sair e entrar no fusca para ver se pega.

Ao final de 2 meses o aparelho apresentou defeito e até o momento não encontramos um local que realize a assistência. Antes que alguém diga que foi azar meu, conheço casos de pessoas que tiveram problemas no aparelho após 2 semanas de uso apenas como decodificador.

A dica que fica é: para quem pretende desenvolver para TV Digital com Ginga-NCL, vale mais a pena pegar um computador que esteja encostado e instalar o Ginga-NCL que está disponível no portal do software público. Na pior das hipóteses você ganhará conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *